compleilao1.jpg

Cinema Solidário em Coimbra

II Lei­lão Soli­dá­rio dos Cami­nhos do Cinema Por­tu­guês anga­ria cerca de mil e duzen­tos euros para a APCC – Asso­ci­a­ção Para­li­sia Cere­bral de Coim­bra

A entre­a­juda entre os dina­mi­za­do­res cul­tu­rais mos­trou-se intensa nesta XX edi­ção do fes­ti­val Cami­nhos do Cinema Por­tu­guês. Não só cami­nha­mos pela manu­ten­ção das obras cine­ma­to­grá­fi­cas naci­o­nais, como por boas cau­sas, e foi esse o pri­mor­dial objec­tivo desta segunda edi­ção do lei­lão soli­dá­rio.

A ponte entre a pro­gra­ma­ção do fes­ti­val e este lei­lão expôs-se pelas lici­ta­ções. Dos vari­a­dos fil­mes que foram selec­ci­o­na­dos para com­pe­ti­ção, des­ta­ca­mos neste evento aque­les que tive­ram a capa­ci­dade de que­brar a bar­reira entre a rea­li­dade da tela e o mundo mate­rial. Assim, com os arti­gos lei­lo­a­dos, o público inte­res­sado em reu­nir arti­gos que o reme­teu para as obras visi­o­na­das, ten­tou adqui­rir tais ítens com a con­vic­ção de que toda a receita reu­nida rever­terá na ínte­gra para a APCC – Asso­ci­a­ção Para­li­sia Cere­bral de Coim­bra. Ao mesmo tempo que se ajuda uma boa causa, reúne-se no patri­mó­nio indi­vi­dual de cada um arti­gos úni­cos que mar­cam um tempo e um espaço no âmbito do cinema por­tu­guês.

Seja por puro colec­ci­o­nismo, ou por inten­ções mera­mente altruís­tas, o lei­lão con­se­guiu repre­sen­tar um sím­bolo de soli­da­ri­e­dade. Tanto mais é, que só foi pos­sí­vel pela co-orga­ni­za­ção com a agên­cia de lei­lões Domus Legis. Foi fun­ção do fes­ti­val, nesta sua II edi­ção do Lei­lão Soli­dá­rio, aju­dar uma ins­ti­tui­ção que tenham como objecto a real e pro­fis­si­o­nal aju­dar o outro. Foi o caso da APCC – Asso­ci­a­ção Para­li­sia Cere­bral de Coim­bra, ins­ti­tui­ção de Coim­bra, cidade que ainda con­si­de­ra­mos a capi­tal do cinema por­tu­guês, berço do nosso pro­jecto e para a qual nos orgu­lha­mos de ter sido pos­sí­vel anga­riar quase mil e duzen­tos euros.

Os Cami­nhos des­pe­dem-se e espe­ram poder vol­tar a mar­car a dife­rença em Coim­bra!