5ª Crónica

Como vamos de documentários?

Pode dizer-se que o cinema começou pela via documental, uma vez que tanto os primeiros filmes rodados pelos irmãos Lumière a partir de 1895, como os de Aurélio Paz dos Reis surgidos a partir de 1896, reportavam cenas não encenadas do quotidiano, foram os primeiros documentários da história do cinema, antecedendo claramente as primeiras ficções.

L’ARRIVÉE D’UN TRAIN À LA CIOTAT ou LA SORTIE DES USINES LUMIÈRE, de 1895 dos irmãos Louis e Auguste Lumière, inspiraram CHEGADA DE UM COMBOIO AMERICANO A CADOUÇOS ou SAÍDA DO PESSOAL OPERÁRIO DA FÁBRICA CONFIANÇA, de 1896 de Aurélio da Paz dos Reis, qualquer deles exemplo claro de cinema documental e considerados pioneiros do cinema mundial e português.

Reconhecido internacionalmente como a imagem de marca do cinema português, Manoel de Oliveira estreou-se em 1931 com DOURO, FAINA FLUVIAL, um documentário ainda da época do mudo, revelando traços do cinema einsteiniano e hoje considerado um clássico.

Mais de três décadas volvidas, o então jovem cineasta Fernando Lopes revela-se ao mundo cinéfilo português com o notável BELARMINO, documentário de 1964 sobre o mais célebre boxeur português, fotografado em exteriores por Augusto Cabrita e em exteriores por Manuel Costa e Silva, director de fotografia e documentarista de vulto, responsável por FESTA TRABALHO E PÃO EM GRIJÓ DA PARADA, de 1973, outro documentário com um lugar seguro na história do cinema português.

Manuel Costa e Silva dirigiu durante anos os Encontros de Cinema Documental da Malaposta, o mais amplo e aberto espaço de divulgação do género documentário no nosso país, por onde passaram obras imperdíveis oriundas de todo o mundo e também o melhor cinema documental feito em Portugal.

O grande problema do cinema documental é a dificuldade acrescida na chegada ao grande écran, isto é, às salas de cinema comercial, quedando-se quase sempre pelo espaço acanhado do pequeno televisor, onde beneficia de diversos canais vocacionados para a divulgação do género.

A fuga a esta exclusão xenófoba, ditada pelos interesses comerciais das distribuidoras, poucas são as excepções como O PESADELO DE DARWIN ou A MARCHA DOS PINGUINS, passa pelos festivais de cinema como é o caso dos Caminhos do Cinema Português, onde se pode descobrir a dificuldade de fazer bons documentários ou receber em pleno peito o deslumbramento de fascinantes documentários de excepção.