Apresentação do Filme O Cerco

À semelhança de Eduardo Geada que pediu aos Caminhos uma breve a presentação de “Sofia e a Educação Sexual”, filme que abriu o ‘Programa Cinema Novo’, também António da Cunha Telles nos sugeriu uma breve contextualização do seu O Cerco que exibiremos hoje, o 4º deste ciclo de cinco filmes emblemáticos do movimento iniciado nos anos 60 e que mudou definitivamente a imagem do cinema português, expondo-o aos olhos do mundo.
Cunha Telles é um caso curioso no panorama dos cineastas que deram corpo ao movimento.Oriundo da Madeira, onde começou a fazer cinema como amador, ainda em 9,5 milímetros, o formato criado pela Pathé francesa e que levaria a Kodak a lançar o 16 mm, veio para o continente integrar o grupo de pioneiros da RTP, o que lhe facultou o acesso a uma bolsa de estudo em Paris.
Estudou no I.H.D.E.C., Institute d’Hautes Études Cinématographiques de Paris, onde cursou realização a montagem, acabando por tirar uma licenciatura na Sorbonne e um curso de audiovisuais em St. Clois. Durante a permanência em Paris viveu praticamente na Cinemateca Francesa, bebendo o clima de euforia que caracterizavas a cinefilia à época.
De regresso a Portugal, estreou-se produzido filmes como Domingo à Tarde e Verdes Anos, ambos de Paulo Rocha e este último responsável pela revelação ao mundo da figura incontornável de Carlos Paredes (autor da banda musical), Katembe de Faria de Almeida que sofreria 60 cortes da censura e nunca foi exibido, estreando-se aqui no TAGV no próximo dia 27, com a presença do realizador e da mentora desta restauração Carmo Piçarra, e Belarmino de Fernando Lopes que amanhã encerra o ciclo.
Em finais dos anos 60, acabado o dinheiro para a produção, decidiu passar à realização com O Cerco, alvo de boicote no nosso país e enfim seleccionado para a “Semana da Crítica de Cannes”, sendo objecto dum extenso trabalho no “Le Monde”, colocando a actriz Maria Cabral na capa da revista “Elle” e sendo referida pela “Variety” norte-americana como “a futura grande actriz do cinema europeu”. Entre nós, o filme foi exibido 3 meses no Cinema Império, em 3 sessões diárias, tendo merecido ao crítico Lauro António a afirmação “O Cerco é o filme que eu gostaria de ter feito.”
O filme foi feito por 6 pessoas, quase sem dinheiro, com película fora de prazo paga a 1$00 por metro, cada actor recebeu o cachet simbólico de 10.000$00 e até o chefe-maquinista fez de actor principal. Mas, acima de tudo, O Cerco ficaria para a história pelo rosto sardento de Maria Cabral, pela extrema suavidade da película fora de prazo, pelo tratamento sensível dado às personagens, tema que mais prende o realizador, como voltaria a suceder décadas volvidas quando fez dum modelo chamado Marisa Cruz, a diva de Kiss Me.
À semelhança de Eduardo Geada que pediu aos Caminhos uma breve apresentação de Sofia e a Educação Sexual, filme que abriu o ‘Programa Cinema Novo’, também António da Cunha Telles nos sugeriu uma breve contextualização do seu O Cerco que exibiremos hoje, o quarto deste ciclo de cinco filmes emblemáticos do movimento iniciado nos anos 60 e que mudou definitivamente a imagem do cinema português, expondo-o aos olhos do mundo. Cunha Telles é um caso curioso no panorama dos cineastas que deram corpo ao movimento.Oriundo da Madeira, onde começou a fazer cinema como amador, ainda em 9,5 milímetros, o formato criado pela Pathé francesa e que levaria a Kodak a lançar o 16 mm, veio para o continente integrar o grupo de pioneiros da RTP, o que lhe facultou o acesso a uma bolsa de estudo em Paris.
Estudou no I.H.D.E.C., Institute d’Hautes Études Cinématographiques de Paris, onde cursou realização a montagem, acabando por tirar uma licenciatura na Sorbonne e um curso de audiovisuais em St. Clois. Durante a permanência em Paris viveu praticamente na Cinemateca Francesa, bebendo o clima de euforia que caracterizavas a cinefilia à época.
De regresso a Portugal, estreou-se produzido filmes como Domingo à Tarde e Verdes Anos, ambos de Paulo Rocha e este último responsável pela revelação ao mundo da figura incontornável de Carlos Paredes (autor da banda musical), Katembe de Faria de Almeida que sofreria 60 cortes da censura e nunca foi exibido, estreando-se aqui no TAGV no próximo dia 27, com a presença do realizador e da mentora desta restauração Carmo Piçarra, e Belarmino de Fernando Lopes que amanhã encerra o ciclo.
Em finais dos anos 60, acabado o dinheiro para a produção, decidiu passar à realização com O Cerco, alvo de boicote no nosso país e enfim seleccionado para a “Semana da Crítica de Cannes”, sendo objecto dum extenso trabalho no “Le Monde”, colocando a actriz Maria Cabral na capa da revista “Elle” e sendo referida pela “Variety” norte-americana como “a futura grande actriz do cinema europeu”. Entre nós, o filme foi exibido 3 meses no Cinema Império, em 3 sessões diárias, tendo merecido ao crítico Lauro António a afirmação “O Cerco é o filme que eu gostaria de ter feito.” 
O filme foi feito por 6 pessoas, quase sem dinheiro, com película fora de prazo paga a 1$00 por metro, cada actor recebeu o cachet simbólico de 10.000$00 e até o chefe-maquinista fez de actor principal. Mas, acima de tudo, O Cerco ficaria para a história pelo rosto sardento de Maria Cabral, pela extrema suavidade da película fora de prazo, pelo tratamento sensível dado às personagens, tema que mais prende o realizador, como voltaria a suceder décadas volvidas quando fez dum modelo chamado Marisa Cruz, a diva de Kiss Me.