Cinema Novo ao Contemporâneo

Dia 17 – Quarta-feira
18h TAGV - Foyer
1. Do Cinema Novo ao Cinema Contemporâneo Português

Moderador: Paulo Jorge Granja
Conferencistas:
Paulo Cunha e Daniel Ribas

Do Novo Cinema à Escola Portuguesa
Ao longo da década de 60, uma nova geração cinéfila formada nas principais escolas de cinema europeus, promoveram uma revolução cinematográfica em Portugal. Rejeitando a herança do passado cinematográfico português (com a excepção de Manoel de Oliveira), esta geração reivindicava uma filiação estética no cinema moderno europeu. Garantindo progressivamente o controlo da crítica, da realização, da produção e do ensino de cinema, esta geração promoveu uma (re)invenção do cinema português mesmo antes da revolução política e social de Abril de 1974.No final dos anos 70 e inícios dos anos 80, algumas obras de autores como Manoel de Oliveira, António Reis, João César Monteiro ou Paulo Rocha registaram um significativo reconhecimento em prestigiados certames cinematográficos internacionais. Coincidindo com a entrada de Portugal no espaço económico comum europeu (1986) e sustentando-se em argumentos culturais e económicos, o poder político e cultural português favoreceu a promoção de uma tendência estética que seria baptizada de “Escola Portuguesa”, pretendendo criar uma espécie de região demarcada de criação de cinema e valorizar a especificidade de um cinema autoral.
Esta breve apresentação pretende fazer uma panorâmica analítica e reflexiva do cinema português produzido entre os anos 60 e os anos 80 e reflectir sobre um novo paradigma estético e criativo que se afirmou no cinema português dessas décadas.

Paulo Cunha
Licenciado, Mestre e Doutorando em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Membro do CEIS20 - Centro de Estudos Interdisciplinares do séc. XX da Universidade de Coimbra, grupo de trabalho Correntes Artísticas e Movimentos Intelectuais. Membro fundador e dirigente da AIM – Associação de Investigadores da Imagem em Movimento. Responsável pelas bases de dados Novo Cinema Português 1949-80 [www.ncinport.wordpress.com] e Crítica de Cinema em Portugal [www.critcinport.wordpress.com]. Programador, com Michelle Sales, do Bacalhau Cinema Clube, projecto de divulgação e promoção do cinema dos países lusófonos sedeado no Rio de Janeiro.

Tem participado em diversos encontros nacionais e internacionais, integrado comissões de diversos encontros académicos e científicos na área de história e estética do cinema.

O cinema português contemporâneo (1990-2010)
Nas duas últimas décadas o cinema português transformou-se. Com o advento das televisões privadas e com a adesão à União Europeia (e o fulgor financeiro que daí resultou), os filmes multiplicaram-se na mesma dimensão que os subsídios cresceram e as montagens financeiras internacionais se mostraram possíveis. Desse boom também surgiu uma diversificação de géneros: longas-metragens, curtas, documentários, animação, séries de televisão. Nesse sentido, o panorama audiovisual alterou-se. Com isso, também o cinema português se abriu aos novos autores.
Sintoma dessa abertura é a nova vaga de realizadores que ganham prémios em festivais importantes ou são citados em revistas da especialidade como autores a reter no futuro. O ponta de lança dessa visibilidade é, claro, Pedro Costa, mas muitos outros autores podem ser aqui citados: Miguel Gomes, João Pedro Rodrigues, João Canijo, Sandro Aguilar, Serge Tréffaut, Regina Pessoa, José Miguel Ribeiro, entre outros. Mas também o cinema comercial, que abertamente pretende dirigir-se ao grande público, procurou novas fórmulas e até aí novos autores arriscaram um novo modelo para o cinema português.
Querendo-se ou não, este novo movimento alterou, fortemente, os pressupostos produtivos, temáticos e estéticos do cinema português, que, em diferentes velocidades, se vai afastando da aura da "Escola Portuguesa". Esta apresentação pretende, nesse sentido, lançar um conjunto de sinais que pretendem revelar a face do cinema português no final da primeira década do século XXI.

 

Daniel Ribas
É investigador de doutoramento da Universidade de Aveiro e professor do Instituto Politécnico de Bragança, ambos no campo dos Estudos Fílmicos. É licenciado em Som e Imagem (especialização em argumento) pela Universidade Católica Portuguesa e, durante anos, foi argumentista free-lancer e crítico de cinema. É membro fundador da Associação de Investigadores da Imagem e Movimento e editor da revista online DRAMA, uma publicação da APAD (Associação Portuguesa de Argumentistas e Dramaturgos). Tem também colaborado com o Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema.

Moderador
Paulo Jorge Granja

É doutorando em História Contemporânea na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC) e Mestre em História pela FLUC, em 2007. Assistente convidado na mesma instituição, onde lecciona, actualmente, a disciplina de Crítica Cinematográfica. Investigador do Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX da Universidade de Coimbra (CEIS20-UC), onde tem trabalhado sobre a construção da legitimação estética do Novo cinema Português.