Crónica Queremos o Cinema! Dêem-nos o Cinema!”

Em 1995, ano em que o Cinema completou um século de vida, os ‘Cahiers du Cinéma’ publicaram uma entrevista feita a Federico Fellini que terminava questionando-o sobre a sobrevivência do cinema e cuja resposta foi “Um dia, as pessoas vão-se cansar da luz bruxuleante da televisão, desligarão os receptores, sairão à rua em magotes e erguerão os braços clamando defronte dos cinemas encerrados ‘Queremos o Cinema! Dêem-nos o Cinema!’.

Na noite do passado domingo, na Cerimónia de Abertura dos Caminhos do Cinema Português, a multidão que encheu literalmente a sala do TAGV para ver uma curta e uma longa realizadas por cineastas conimbricenses deu razão ao mestre e também a Godard, quando afirmou que “a televisão está para o esquecimento, como o cinema para a memória”.
Deu também uma grande alegria ao presidente da Direcção do ICA, José Pedro Ribeiro, que momentos antes durante o jantar referia “já ganhámos a batalha do cinema, falta só ganharmos a do público”.

Mas acima de tudo, gratificou duma forma generosa e ostensiva a equipa que, ano após ano, transforma Coimbra, cidade da Cultura, ma capital do Cinema Português, trazendo ao TAGV e ao, recuperado Theatrix, cerca de 170 filmes, desde os 67 da Secção Competitiva, aos exibidos nos Ensaios Visuais (trabalhos realizados pelos alunos das escolas de cinema), passando pelos Caminhos do Cinema Europeu, este ano dedicados à rica cinematografia turca, animações para os mais jovens nos Caminhos Juniores e Retrospectiva Cinema Novo, 5 obras escolhidas a dedo de entre os filmes mais emblemáticos do movimento que mudou o cinema português o projectou no mundo.
Até dia 23, oportunidade de ver muito e, acima de tudo, bom cinema, convivendo em torno dele e da música nas After Parties do Theatrix, diariamente a partir da meia-noite e meia. Desde dia 14 e até terça-feira, a Festa do Cinema Português, é em Coimbra, nos XVII Caminhos do Cinema Português.