Crónica

98 octanas, de Fernando Lopes

Tudo sem um certo ar retrospectivo, a começar pelos personagens - em uma constante revisão dos seus passados. Entretanto, o olhar do realizador é sobretudo contemporâneo: consegue misturar poesia com road movie e ainda continuar a parecer um filme português dos bons. O enredo, na fragilidade de um encontro casual entre dois desconhecidos, estabelece uma profunda relação sensual entre Maria e Diniz com cenas absolutamente sugestivas - com um som muito bem trabalhado, aliás marca do realizador que desde Belarmino estabelece a banda sonora não como um complemento à imagem, mas como um elemento potencializador da síntese entre o som e imagem.
Os diálogos surpreendem - pela imprevisibilidade e sofisticação. Mas a força maior do filme é mesmo os actores, ou os complexos personagens que eles conseguem estabelecer na inconstância de vidas frágeis que se impõe no encontro entre a sexual rapariguinha de 20 e poucos anos orfã e o senhor de meia-idade amargurado e repleto de frustrações. Pode soar o clichê, mas de facto Fernando Lopes apropria-se disso muito bem e faz nos sorrir outra vez...