Encerramento

a17_1a17_4a17_5a17_6

Na noite do dia 17 de novem­bro, o Tea­tro Aca­dé­mico de Gil Vicente ves­tiu-se de gala para rece­ber a Ceri­mo­nia de Encer­ra­mento da XVIII Edi­ção do Fes­ti­val Cami­nhos de Cinema Por­tu­guês, onde se con­sa­gra­ram os melho­res dos melho­res do Cinema Naci­o­nal.

Após uma semana de exi­bi­ção do melhor que se fez no cinema naci­o­nal” e após terem reu­nido aquela que foi a melhor selec­ção de fil­mes a com­pe­ti­ção dos últi­mos anos, a orga­ni­za­ção viu des­fi­lar na pas­sa­deira ver­me­lha gran­des nomes do cinema Por­tu­guês, e viu ainda ser reco­nhe­cida em mais que uma oca­sião a impor­tân­cia deste fes­ti­val.

O cinema naci­o­nal rumou a Coim­bra e durante mais de uma semana a Cidade dos Estu­dan­tes” foi pela 18ª vez a Capi­tal do Cinema Por­tu­guês”, pela mão duma orga­ni­za­ção de e júri que fez um tra­ba­lho muito sério, que não esteve a brin­car aos fil­mes.

Raquel Freire, rea­li­za­dora e repre­sen­tante do júri durante a ceri­mó­nia, agra­de­ceu ao Fes­ti­val por mos­trar o cinema a todos”; real­çou a impor­tân­cia de ini­ci­a­ti­vas como esta, assim como a cons­tante von­tade que quem real­mente ama o cinema naci­o­nal tem em con­ti­nuar a criar, ao afir­mar que é espe­ci­al­mente em momen­tos como os de hoje, em que nos é cor­tado quase tudo, que a nossa expres­são enquanto povo, a nossa iden­ti­dade está naquilo que somos capa­zes de pro­du­zir quer seja em lon­gas ou cur­tas-metra­gens, quer seja em docu­men­tá­rio oi em ani­ma­ção, essa é a forma de mos­trar­mos que esta­mos aqui, que con­ti­nu­a­mos a pro­du­zir e a cons­truir”.

Fes­ti­vais como os Cami­nhos do Cinema Por­tu­guês são cada vez mais impor­tan­tes na divul­ga­ção do cinema que se faz cá, numa altura em que o cami­nho do cinema por­tu­guês de afi­gura cada vez mais difí­cil”, foram algu­mas pala­vras de reco­nhe­ci­mento dei­xa­das, em forma de sms, por João Nuno Pinto (Pré­mio Reve­la­ção) e que se jun­ta­ram às de Ângelo Tor­res (Pré­mio Melhor Ator Secun­dá­rio) que dedi­cou o seu pré­mio a todos aque­les que em Por­tu­gal por tei­mo­sia e caro­lice con­ti­nuam a fazer cinema”.

Apos uma semana de bom cinema por­tu­guês e horas de exi­bi­ção do melhor que se faz em Por­tu­gal, foram entre­gues 24 pré­mios (23 conhe­ci­dos já desde a vés­pera da ceri­mo­nia) e o último atri­buído pelo público ao docu­men­tá­rio José e Pilar”, reve­lado no final da Ceri­mó­nia.

A XVIII Edi­ção do Fes­ti­val do Cami­nhos do Cinema Por­tu­guês des­pe­diu-se em noite de con­sa­gra­ção, não só do cinema naci­o­nal, mas tam­bém da qua­li­dade e seri­e­dade que 18 anos de Fes­ti­val com­pro­vam! Con­ti­nuem a ver bom cinema Por­tu­guês! Até para o ano!

a17_2a17_3a17_8