ficc_PB.png

Júri Internacional FICC/​IFFS

O Prémio D. Quijote é um prémio da FICC - Federação Internacional de Cineclubes, atribuído em festivais de cinema selecionados pela Federação Internacional de Cineclubes. O Júri FICC/IFFS é composto por cinéfilos de qualquer país do mundo, apurados entre as candidaturas das várias Federações Nacionais de Cineclubes.

O português Carlos Coelho, o norueguês Odd Vaagland e o afegão Abdul Malek Ghulam Hussin são os nomeados Júri FICC da 23ª edição dos Caminhos do Cinema Português.

A Seleção Caminhos, além dos prémios atribuídos pelo Júri da Seleção Caminhos, é também avaliada pelo Júri do Prémio de Imprensa CISION, bem como pelo Público e pelo Júri FICC. Para o Prémio D. Quijote estão elegíveis os filmes presentes em competição na Seleção Caminhos, que estejam legendados em francês ou inglês, ou ausentes de diálogos.

  • Odd Vaagland

    Odd VaaglandProfessor

    Nasceu em Arendal, uma pequena cidade norueguesa de cerca de 42 000 habitantes. Em idade muito precoce ficou emocionado pela magia do cinema no teatro local. (É por isso que ainda ama a nostalgia do "Cinema Paradico" e “Last Picture Show”) Recorda-se de rir sem parar com os seus amigos com a pantomima de Chaplin em “Easy Street”, partilhavam o suspense sem fôlego enquanto viam o Tarzan a lutar com os leões e crocodilos da selva. E os filmes da Disney com a sua beleza e sentimentalismo. Consumia tudo sem resistência crítica, isto era a idade da inocência. Ás vezes ainda deseja voltar a esse tempo. Na sua juventude dourada não sabia nada sobre como manipular imagens e sons, era neste campo que estava autorizado a ser sentimental.

  • Carlos Coelho

    Carlos CoelhoProfessor

    Carlos Campos Coelho é professor na Escola Superior de Tecnologia de Abrantes (I. P. Tomar) onde criou e dirigiu o curso de licenciatura em Vídeo e Cinema Documental. É dirigente do cineclube espalhafitas, sócio da Bonifrates – Cooperativa de Produções Teatrais e da Livraria Ler Devagar. Foi membro da direcção da Federação Portuguesa de Cineclubes. Intervém em projectos artísticos, como o Animaio e Viagens Literárias.

  • Malek Shafi’i

    Malek Shafi’iDiretor de Festival de Cinema

    Malek Shafii é o fundador e director executivo do Afghanistan International Human Rights Film Festival (AIHRFF).

    Shafii é um realizador de documentários premiado, sediado no Kabul, que tem vindo a trabalhar neste país destruído pela guerra e no estrangeiro nos últimos 17 anos. Shafii completou os seus estudos no Baagh Ferdaws Filmmaking Center em Teerão e na Universidade de Kateb em Kabul (nesta última na área dos estudos sociológicos). Para além disto, participou em cursos de produção de filmes e administração de artes na Holanda e nos Estados Unidos. Malek regressou ao Afeganistão após 20 anos de exílio e em 2006 fundou o Afghanistan Cinema Club BASA, uma organização sem fins lucrativos que promove o desenvolvimento de projetos culturais e artísticos com o objetivo de treinar e produzir o trabalho de realizadores afegãos em emergência no Afeganistão. Outros projetos culturais com os quais tem vindo a colaborar de forma exclusiva são: o Festival Internacional de Documentários e Curtas-Metragens de Kabul; e o Second Take Film Festival 2008 um festival de cinema que justapõe o tema género, cinema e sociedadeno Afeganistão.

    Malek também trabalhou como Chefe de Média e Conselheiro de Comunicação para a Rádio e Televisão do Afeganistão, em diferentes ONGs e organizações internacionais, assim como com o sistema de agências das Nações Unidas no Afeganistão, implementando filmes e projetos de comunicação social para a promoção da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Shafii realizou e produziu mais de 35 filmes, alguns dos quais ganharam prémios internacionais em diversos festivais internacionais em anos anteriores. Foi membro do júri do Tolo TV Film Festival, Kabul Film Festival, Amnesty Award of CPH-DOX, MyView Video competition for ADB (Asian Development Bank) e o Movies that Matter Film Festival. Malek fez parte do 2012 ArtsLink Residencies no âmbito do programa Fellow in Visual Arts and Media, um programa que envolve  comunidades através de parcerias internacionais artísticas. Com o objectivo de usar meios de comunicação tradicionais e modernos para influenciar a realização e produção de filmes, criar impacto nos direitos humanos e ligar a situação atual do Afeganistão a assuntos dos direitos humanos de outras partes do mundo e com a necessidade de criar uma plataforma para ajudar os realizadores afegãos a mostrar o seu talento e o os conhecimentos dos apreciadores de cinema e do público internacional a viver no Afeganistão, Malek lançou a primeira edição do Afghanistan Human Rights Film Festival em Kabul, assim como noutras províncias do país, em 2011, com o principal objectivo de fazer chegar as histórias dos direitos humanos a uma maior audiência e ao contexto real do Afeganistão.

Related Posts