André Parente

André Parente

André Parente é artista e teórico do cinema, dos novos media e da arte contemporânea. Em 1987 obtém o Doutoramento na Universidade de Paris 8, sob a orientação de Gilles Deleuze. Em 1991 funda o Núcleo de Tecnologia da Imagem (N-Imagem) da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Entre 1977 e 2016, realiza inúmeros vídeos, filmes e instalações, nos quais predominam a dimensão experimental e conceitual. Os seus trabalhos foram apresentados em festivais, mostras e exposições no Brasil e no exterior (Alemanha, França, Espanha, Suécia, Espanha, México, Canadá, Portugal, Argentina, Colômbia, China, entre muitos outros). É autor de vários livros, entre os quais destacamos: Imagem-máquina. A era das tecnologias do virtual (1993), Sobre o cinema do simulacro. Cinema existencial, cinema estrutural e cinema brasileiro contemporâneo (1998), Narrativa e modernidade. Os cinemas não narrativos do pós-guerra (2000), Cinema et narrativité (L’Harmattan 2005), Cinema em trânsito. Cinema, arte contemporânea e novas midias (2012), Cinemáticos (2013), Cinema/Deleuze (2013), Passagens entre Fotografia e Cinema na Arte Brasileira (2015), entre outros.

André Parente é artista e teó­rico do cinema, dos novos media e da arte con­tem­po­râ­nea.

Em 1987 obtém o Dou­to­ra­mento na Uni­ver­si­dade de Paris 8, sob a ori­en­ta­ção de Gil­les Deleuze.
Em 1991 funda o Núcleo de Tec­no­lo­gia da Ima­gem (N-Ima­gem) da Uni­ver­si­dade Fede­ral do Rio de Janeiro.

Entre 19772016, rea­liza inú­me­ros vídeos, fil­mes e ins­ta­la­ções, nos quais pre­do­mi­nam a dimen­são expe­ri­men­tal e con­cei­tual. Os seus tra­ba­lhos foram apre­sen­ta­dos em fes­ti­vais, mos­tras e expo­si­ções no Bra­sil e no exte­rior (Ale­ma­nha, França, Espa­nha, Sué­cia, Espa­nha, México, Canadá, Por­tu­gal, Argen­tina, Colôm­bia, China, entre mui­tos outros).

É autor de vários livros, entre os quais des­ta­ca­mos: Ima­gem-máquina. A era das tec­no­lo­gias do vir­tual (1993), Sobre o cinema do simu­la­cro. Cinema exis­ten­cial, cinema estru­tu­ral e cinema bra­si­leiro con­tem­po­râ­neo (1998), Nar­ra­tiva e moder­ni­dade. Os cine­mas não nar­ra­ti­vos do pós-guerra (2000), Cinema et nar­ra­ti­vité (L’Harmattan 2005), Cinema em trân­sito. Cinema, arte con­tem­po­râ­nea e novas midias (2012), Cine­má­ti­cos (2013), Cinema/​Deleuze (2013), Pas­sa­gens entre Foto­gra­fia e Cinema na Arte Bra­si­leira (2015), entre outros.