Massimo Bernardoni

Massimo Bernardoni

Nasceu a 7 de Março de 1942, em Roma onde concluiu, em Junho de 1960, a escola secundária. Depois de dez meses em Londres, estudou língua e literatura alemã-italiana em Munique e Frankfurt/M. Para além de pequenos textos traduziu para italiano a história literária não-ficcional, do livro “Das Abenteuer der deutschen Literatur “por K. H. Horst.


Durante o período de 19681971, tra­ba­lhou como edi­tor fre­e­lan­cer, no Grande Dici­o­ná­rio de Ale­mão-Ita­li­ano da San­soni Publishing House em Roma. Aqui tra­du­ziu tam­bém o ter­ceiro dos qua­tro volu­mes da his­tó­ria da soci­o­lo­gia” de Fri­e­drich Jonas para ita­li­ano. Entre 19741980 lec­ci­o­nou ita­li­ano para cinema na Uni­ver­si­dade Pública de Hil­desheim. Em 1975, escre­veu um livro sobre Miche­an­gelo Anto­ni­oni e fun­dou com o direc­tor da Uni­ver­si­dade Pública de Hil­desheim, um cinema público, a que cha­ma­ram Kellerkino”(Cinema de Cave), que hoje ainda lidera. Desde a exis­tên­cia do pré­mio Film­pro­gramm­prei­ses” atri­buído pelos esta­dos da Baixa Saxó­nia e Bre­men que o Kellerkino”(Cinema de Cave) per­tence a um redu­zido número de salas pre­mi­a­das. Entre 20062012 Kellerkino”(Cinema de Cave), foi tam­bém dis­tin­guido com o famoso pré­mio de cinema Kine­mathek.

Nos anos de 19812007 Mas­simo Ber­nar­doni empos­sou o cargo de direc­tor pro­gra­má­tico na Uni­ver­si­dade Pública de Hil­desheim, e foi res­pon­sá­vel pela inclu­são das áreas de cul­tura, artes e arte­sa­nato, no pro­grama desta uni­ver­si­dade.

Em 1982 ini­ciou diver­sos pro­jec­tos cul­tu­rais e edu­ca­ti­vos, como Alt und Jung fei­ern ein Fest”(1982), Leben­dige Stadtgeschichte”(1983 1984), Hil­deshei­mer Markts­pi­ele” (entre 19891992). Em 1984 fun­dou jun­ta­mente com Frank Matzke o The­a­ter Alt und Jung”. Em 1989, foi tam­bém mem­bro fun­da­dor da asso­ci­a­ção de tea­tro de Hil­desheim, Buffo e.V.” e pre­si­dente do seu Con­se­lho de Admi­nis­tra­ção desde os seus pri­mór­dios até o ano de 1998.

Em 1997 ini­ciou a Asso­ci­a­ção para pro­je­tos cul­tu­rais, cul­tura e.V” da qual foi pre­si­dente de 19972012. Entre 19881995, foi nome­ado con­sul­tor para os inter­na­ci­o­nal­mente conhe­ci­dos Museu Hil­desheim Roe­mer e Museu Peli­za­eus.

Desde 1989 até ao pre­sente, levou a cabo vários semi­ná­rios de cinema na Uni­ver­si­dade de Hil­desheim, os temas dos semi­ná­rios foram, entre outros, Der Ita­li­e­nis­che Neo­re­a­lis­mus”, Pier Paolo Paso­lini”, Roberto Ros­sel­lini”, Luchino Vis­conti”, Das Auto­ren­kino der 60er Jahre”, Einfüh­rung in die Filmthe­o­rie”. Em 1990 diri­giu um docu­men­tá­rio com o nome Maria Raf­fert gebo­ren 1904”, cri­ado como parte de um pro­jecto de his­tó­ria oral de dois anos.

Em 1998 rodou um pequeno filme, Wie kannst Du sagen, dass der Him­mel blau ist?”, sobre um homem cego da ex-Jugos­lá­via. Em 2001/​2002 em Tene­rife rea­li­zou o filme Aga­panthus”, sobre o tema azul”.

De 1993 até hoje tem pro­du­zido uma grande vari­e­dade de ins­ta­la­ções, incluindo Chan­nels to China”, em 1994, (o cha­mado Tian’amnen do Mas­sa­cre em Pequim 1989) e Bon­do­ma­nia”, (1998), para a China ou James Bond Expo­si­ção do Hil­desheim Roe­mer e Peli­za­eus-Museums, Infi­nite Jus­tice”, 2003, sobre as con­sequên­cias de 0911, Luft-Schutz-Raum, 2005, peri­gri­na­tio”, 2006, sobre o tema dos pere­gri­nos na clau­sura do Hil­deshei­mer Kreuz­kir­che, Kinogän­ger Kafka”, 2008, um par­que de esta­ci­o­na­mento casa Hil­deshei­mer Inter­lace Enter­tain­ment”, 2011, ins­pi­rada no romance Infi­nite Jest”, de David Fos­ter Wal­lace na Hil­deshei­mer maso­nic lodge, feedMe!”, até 2014, sobre o tema comida” com base na bio­gra­fia de um res­tau­ra­dor de Hil­desheim.