Caminhos da Tradução para Legendagem no Cinema

doutora maria josé veiga

A pro­jec­ção do cinema por­tu­guês no mundo ainda não tem arqui­te­tada uma rede comu­ni­ca­tiva que se pre­sen­ti­fi­que inter­na­ci­o­nal­mente de modo efi­caz. A dis­se­mi­na­ção do cinema por­tu­guês encon­tra-se direc­ta­mente cone­xi­o­nada, não só com os meca­nis­mos escas­sos recur­sos de pro­du­ção, publi­ci­ta­ção e de dis­tri­bui­ção, mas tam­bém com a forma de ope­ra­ci­o­na­li­zar lin­guis­ti­ca­mente, por meio da tra­du­ção (legen­da­gem, audi­o­des­cri­ção, ou dobra­gem), o pro­duto audi­o­vi­sual.

No con­texto desta apre­sen­ta­ção, a tra­du­ção fíl­mica será tra­tada, sobre­tudo, sob dois ângu­los prin­ci­pais: 1º o téc­nico-lin­guís­tico e res­pe­ti­vos cons­tran­gi­men­tos; e 2.º o da sen­si­bi­li­za­ção dos inter­ve­ni­en­tes na cons­tru­ção da obra cine­ma­to­grá­fica para o facto de que a tra­du­ção para legen­da­gem, nas suas dimen­sões intra e inter­lin­guís­tica, esti­mula e incre­menta o valor do filme junto do público naci­o­nal ou estran­geiro.

No âmbito da tra­du­ção para legen­da­gem intra­lin­guís­tica, pro­cura-se que, a par de outros ele­men­tos, aquando da con­cep­tu­a­li­za­ção dos pro­je­tos cine­ma­to­grá­fi­cos, aquela venha a ser imple­men­tada, seja pelo valor eco­nó­mico do Por­tu­guês den­tro dos paí­ses da luso­fo­nia, seja pelo valor con­fe­rido aos públi­cos com neces­si­da­des espe­ci­ais de comu­ni­ca­ção (sur­dos, apren­den­tes do Por­tu­guês recém-che­ga­dos ao país, entre outros). Quanto do mate­rial audi­o­vi­sual naci­o­nal existe tra­du­zido, com vista a pro­mo­ver o ensino do Por­tu­guês para estran­gei­ros que imi­gram para o nosso país? Ou mesmo, como veí­culo de ensino do Por­tu­guês voca­ci­o­nado para as comu­ni­da­des lusó­fo­nas, ou outras, no estran­geiro?

Se por um lado a tra­du­ção intra­lin­guís­tica, enquanto solu­ção de aces­si­bi­li­dade, se cons­ti­tui como uma área estra­té­gica de con­co­mi­tante divul­ga­ção da arte cine­ma­to­grá­fica e da lín­gua por­tu­guesa, a tra­du­ção inter­lin­guís­tica, por outro lado, poderá reve­lar-se uma mais-valia quando con­fluem a indús­tria do cinema por­tu­guês e o labor da tra­du­ção para uma lín­gua estran­geira, ambos resul­tan­tes de um pla­ne­a­mento apra­zado e ama­du­re­cido.